Otimismo e longevidade estão fortemente ligados

Otimismo.

Os benefícios de levar a vida com otimismo já vêm sendo discutidos há muitos anos, mas recentemente uma pesquisa da Universidade de Harvard comprovou que além de deixar o dia a dia mais leve, o otimismo também prolonga a vida.

Segundo pesquisadores o otimismo diminui a probabilidade de desenvolver doenças ligadas às irritações do cotidiano, como as doenças cardiovasculares, por exemplo.

Para chegar ao resultado, os pesquisadores acompanharam um grupo de mulheres, levando em conta seus hábitos alimentares, posição social, condições financeiras e de saúde. As 70 mil mulheres que aceitaram ser acompanhadas pelos seis anos de pesquisa responderam em uma escala de 0 a 24, o quão otimistas se consideravam.

Ao analisar os resultados, os pesquisadores chegaram à conclusão de que, as mulheres com taxas de otimismo mais altas tiveram menos presentes na taxa de mortalidade durante o período da pesquisa, do que as mulheres que possuíam níveis baixos de otimismo.

Quais doenças se apresentam em menor número nas pessoas mais otimistas?

Entre os benefícios do otimismo, está a diminuição do risco de desenvolver certas doenças, tais como:

  • Câncer;
  • Doenças cardíacas;
  • AVC;
  • Doenças respiratórias;
  • Infecções em geral.

Dicas – otimismo:

  • Abrace mais: O abraço pode ser calmante, e o toque humano entre pessoas que se gostam ajuda na produção de hormônios que reduzem a ansiedade;
  • Relembre bons momentos: Às vezes deixamos o otimismo de lado quando o mundo parece feito só de momentos ruins. Relembrar coisas boas pode ajudar;
  • Seja grato: Mesmo nos dias mais difíceis você ainda tem a sua vida, pelo menos, para agradecer. Gratidão pode melhorar muito sua visão de mundo;
  • Faça exercícios: Seja um alongamento para o corpo ou uma leitura para a mente, exercícios melhoram sua saúde mental e física e melhoram o humor;
  • Tenha paciência consigo mesmo: Às vezes aprender a ser otimista leva tempo, mas comprovadamente seus resultados são maravilhosos.
  • Alimente-se bem: às vezes uma alimentação desequilibrada pode causar depressão por insuficiência de nutrientes.

Larissa Santos.

Seja o(a) primeiro(a) a postar um comentário!

Faça um comentário

 

Translate »